HISTÓRIAS E CAUSOS

BICO PRETO VELHO - A FÁBRICA

Na época do flamengo de Vanderlei Luxemburgo e Ronaldinho Gaúcho, adquiri um bicudo de bico preto. Certa vez com um amigo em casa peguei ele dentro do criatório e andei de dentro do criatório até um prego no quintal, ele foi cantando desde a hora que peguei a gaiola até bastante tempo depois que coloquei no prego. Repetindo de bico quase fechado, um luxo... parecia que não iria parar nunca, não tinha freio!
Batizei de Sem Freio.

Este bicudo foi a inúmeiros torneios, passou na mão de alguns amigos até que o destino o trouxe de volta e o levei para o RS. Lá, com um pouco mais da metade das etapas disputadas, ele se sagrou 5º colocado no primeiro gauchão de fibra de bicudo. Pássaro com boas cantadas na faixa de 6 minutos.

Após o Sem Freio fui atrás pra descobrir a genética do bicho. Descobri lá em Garça - SP, um criador chamado Jesus, que tinha um bicudo de bico preto que passamos a chamar de preto velho. Trouxe alguns filhotes e observei uma valentia fora do comum nesses passarinhos.

Fui espalhando e acabei não acompanhando. Alguns anos depois meu amigo Marco lá de Garça me chama e fala que tem um irmão do Sem Freio muito bom para eu testar... Fui buscar e o bicho era bom mesmo. Coloquei o nome de James Brown, não deu tempo de puxar em torneios, logo me tomaram ele porque tinha um canto flauta lindo.

Depois disso peguei mais um que está com o amigo Caju de Floripa, outro que passei pro Ricardo do RS e mais um que está com o Julio Coutinho em POA. Mas quis o destino que eu ainda tivesse mais um filho do "Preto Velho", então chegou aqui em casa o Boomerang. 

Que canto lindo, repete e retoma muito fácil, primeira roda já finalizou e foi um torneio com mais de 60 gaiolas. Muito futuro. Acho que esse é o último filho dele. Mas, porque to falando do Sem Freio e de seus irmãos???

Porque após muitos anos admirando a produção desse bicudo Guerreiro, resolvi experimentar trazer ele pra galar algumas fêmeas aqui no Quinto Dia. Agora ele vai morar aqui conosco. Vamos ver se aqui produz coisa boa também. 


ANDROID - RENOVO

Nem me lembro direito o ano, mas faz um tempinho. Através de um negócio entre Erb e Basílio (que eu nem conhecia), o Basílio veio em casa buscar um filhote do Gengis Khan. Escolhi de um cruzamento que eu tinha certeza que daria bom, pois o Basílio era lá do clube de Santo André e seria uma boa propaganda.
Pois é, Basílio levou o menino e muitos outros depois, parece que gostou.
Após alguns anos o bicho ficou preto e começou a cantar na roda. Uma pena não firmou. Sempre alguma coisa, repasse de muda, femea botando...
O tempo foi passando, a amizade aumentando, as famílias são amigas, quase a Laura me leva o Conan (Pinscher)!!! Veio o Android para galar no Quinto Dia.
#Após Nanande parar de encher ovo, uma tristeza enorme pois Mirião também não galava!!#
Mas que BICUDO!!! Repete o tempo todo, não aceita canto perto, não tem medo de fêmea nenhuma, e olha que ninguem queria deixar ele galar pois eram todas do Mariola. Mas já na primeira temporada, e ele chegou no final... ele já gerou muitos filhotes!!!
Chegou o churras do Quinto Dia e o Basílio oficializou o que eu suspeitava, ganhavamos o Android em definitivo... uma alegria misturada com preocupação, pois gratidão é dívida que nunca se paga!!!
Enfim aos poucos o Android foi tomando o seu lugar, gerando mais filhotes, galando suas irmãs e até uma sobrinha... e foi dando uns bichos doidos hein!!! Um deles com pouco mais de 30 dias já estava churrilhando e acasalado com a irmã... (esse casal está hoje com o Basílio e promete!)
Hoje o Android é meu bicudo preferido e não sai de perto de mim, entre tantos foi escolhido para estar como galador no Quinto Dia... e seus filhotes em breve estarão aparecendo por aí...

BASÍLIO - ISSO É COISA PRA NUNCA MAIS ESQUECER!!! MUITO OBRIGADO.!

NANANDE - O MELHOR DE TODOS

Pessoal, faz tempo que nenhum bicudo tem merecido que sua história seja contada... pois bem, irei contar a do Nanande.

Última ninhada do Gengis Khan, nasceram 3 filhotes. Um deles não sei com quem está, uma é a Berenice, está criando no Quinto Dia e outro foi o Nanande. Na época, fiquei tão triste com a morte do Gengis Khan que nem dei atenção.

A Berenice foi para o Marcello e acabei pegando de volta este ano. O Nanande foi pra casa do Wagner, e lá foi "esquecido" durante meses... Quando em uma visita ele tira de dentro do criatório um pardo, sem identificação, bota na cara dos pretos e o bicho canta sem parar.

Ficamos encantados com o o passarinho e já estava pronto pra fazer uma proposta e adquirir o bicho... quando o Wagner solta, é seu. Filho do Gengis Khan, o Nanande. A partir deste momento passou a ser treinado e manejado para assumir o papel do pai.

Este ano 2011, pintado ainda, mas quase todo preto tenho testado bastante ele. Em um torneio em Jundiaí, levei-o a roda, sem fêmea. Cantou bem, tirei cantando às 10h e desde então está no criatório. Como o pai, não nega gala, enfrenta qualquer fêmea, repete como poucos e já se tornou um craque.

Segundo o Wagner, que conheceu muito bem o Gengis Khan, o Abalo Sísmico e ficou durante um ano inteiro com o Mirião, o Nanande é o melhor bicudo que já tive. Estou começando a concordar.

# Update.
Após nos dar alguns filhotes como o Preferido, por exemplo, parou inexplicavelmente de encher ovo e tentei acasalar para ficar apenas nos torneios. Quando levei chegou a cantar 4:48 sem uma femea dedicada.

Foi então que contratei o China pra ficar com ele um período e achar uma fêmea pra ele. Voltou uns 7 meses depois acasalado e foi para o RJ. Lá não deu muito certo e peguei de volta - pois não quero cliente insatisfeito.

Assim que chegou em casa já começaram os interessados e após muda, recebemos a visita do Basílio que viu a máquina esquentando e decidiu acreditar no pássaro. Fizemos um rolinho - muito mais pro Basílio me ajudar e esvaziar a casa dele do que outra coisa!
Nanande do Quinto Dia agora está com o Basílio e espero que esse ano (2015) seja o ano da recuperação deste promissor filho do GENGIS KHAN.





 

BÁRBARO - UM BICUDO, O BICUDO!

 

Amigos, como sempre começo, gostaria de compartilhar com vcs a história deste grande bicudo. O Bárbaro, que já ganhou o nome "do Quinto Dia" devido à sua origem desconhecida.

Era meio da temporada, a equipe Quinto Dia contava com Amadeu, Geraldo e Mirião. O Geraldo já estava repetindo fácil acima dos 60 segundos. E o Mirião, a cada torneio me encantava. (como é parecido com seu pai!)

Num domingo a casa estava cheia. Meu pai estava me visitando e passando uns dias em minha casa e neste domingo recebi aqui em casa meu amigo Marcelo Ruro, de Capivari... estávamos brincando com os trincas e ouvido os bicudos cantando muito.

O Marcelo veio trazer o Ruro para aprender a galar e ficamos algumas horas conversando enquanto apreciávamos os passarinhos. Após as 11h, os bicudos já estavam na bateria desde às 9h, chegou em casa um conhecido roleiro da região com um bicudo cantando muito.

Neste momento, dei mais uma gasolina no Mirião e botamos a fogueira para pegar fogo novamente. Após mais de uma hora de tentativas, este senhor levou seu pássaro embora. Não quis largar, como se diz.

Ia levar em mais alguns torneios pois o bicho era uma fera mesmo. Aquele bicudo não saia de minha cabeça. Falei com meu pai e com minha esposa... o bicho era mesmo uma fera, sem comentários.

Como todo bicudeiro, perdi o sono por algumas noites. Até que soube que o bicudo estava sendo negociado com o amigo Ralph de Capivari. Mais algumas ligações e parecia que o negócio pra mim não tinha dado certo.

Me contentei com a história e desisti!

Alguns dias mais tarde recebo a ligação do Ralph... dizia: - O bicudo está aqui comigo, tem rolo? FIQUEI MALUCO! Mas agora o valor do bicho tinha duplicado... fiz minhas contas, e coloquei à disposição todos os meus bicudos com exceção do Gengis Khan e do Mirião. Foi um filho do Tornado, o Geraldo, o Amadeu e muitos outros...

Enfim, fui buscar o bichão. Era um sonho... a cabeça com início de fungos. O bico estava em plena troca! Mas como cantava... Ainda sem fêmea levei no primeiro torneio, em Sto André. Como catanva. Primeiro lugar com 6:11. Depois foram mais alguns torneios, mais alguns primeiros lugares sempre perto dos 6 minutos.

Ninguém sabe de onde surgiu este bicudo. Até chegar na mão deste senhor de Porto Feliz, passou por Sorocaba. Foi avaliado por bicudeiros de canto e descartado por ter canto curto e com poucas notas. (além de não repetir)

Pois bem, na roda seu volume de canto é impressionante! Não fica mais que 10 segundos sem cantar! Mesmo comendo canta, chega a cair comida pelos cantos do bico. E não repete. Competiu em 5 torneios sem fêmea - 4 primeiros e 1 terceiro com média de 6 minutos.

Achei uma fêmea quente, aberta, vinda também de Capivari. Mas esta veio do Marcelo. Ele se entrosou com ela de tal forma que a danada começou a pedir gala... bem perto do torneio. Mantive longe, mas não teve jeito. Botou no carro indo ao torneio. Ele chegou e não sentiu muito no começo, mas no fim ficou nos 4:39.

Voltando pra casa, começamos o tratamento com cetoconazol para o fungo que já o deixara careca. Não parava de cantar e agora tem raiva de mim o danado! Fica brigando comigo! Antes de começar a muda, galou a Colibri. Última postura antes de ir para o criatório Phoenix do amigo Duda de Sto André.

Agora ele está em plena muda, cantando como se nada estivesse acontecendo. NUNCA VI UM BICUDO COMO ESTE. O estranho é que agora que está em muda, está passando 4 às vezes 5 cantos!

Se Deus permitir este ano de 2010 será muito divertido com o Bárbaro do Quinto Dia

APÓS VÁRIOS TORNEIOS NA MINHA MÃO, FOI CEDIDO A UM BICUDEIRO DE RIBEIRÃO PRETO QUE O REPASSOU AO NAMI JAFET EM NITERÓI. POR LÁ DESTRONOU OS SOBE DESCE, FICANDO CAMPÃO DA PRÉ-TEMPORADA DE 2011, VICE NA TEMPORADA 2011 E BICAMPEÃO 2012 E 2013. UM FENÔMENO.

SEU FILHO, MARIOLA DO QUINTO DIA, GEROU VÁRIOS FILHOTES E INFELIZMENTE MORREU CEDO COM 5 ANOS APENAS. MAS SUA FILHA, BÁRBARA ESTÁ NO BICUDÁRIO CASSARO GERANDO FILHOTES POR LÁ...

 BÁRBARO do Quinto Dia - QUE SURPRESA!


 

 

GENGIS KHAN - DEIXOU SAUDADES!

Amigos, esta temporada nos levou a alegria de criar. Primeiro foram os problemas causados pela administração equivocada do IBAMA SP que prefere atrapalhar que instruir, complicar a fiscalizar, espalhar o terror a educar. Depois a perda do Fuji, grande amigo e líder de nosso hobby. Um guerreiro ímpar, um homem sério e um amigo insubstituível.

Depois foram embora a Borboleta e o Gengis Khan. Ambos deixam um legado, uma história e uma saudade sem comparação. Causas diferentes, mas um mesmo vazio se formou.

Nosso criatório se mudou para Marília, aos poucos vamos cabando com os curiós e o Wagner se torna nosso parceiro também com os bicudos. Graças a Deus e ao amigo Josmar, conseguimos adquirir de volta algumas filhas do Gengis Khan para que a história não chegue a um final melancólico.

O Gengis Khan era um dos meus melhores amigos. Seu único defeito foi a preguiça que o fez parar de cantar fora do criatório após começar a criar. de resto, a cada ano repetia mais, a cada filhote uma nova surpresa e um índice de aproveitamento que poderia transformá-lo num dos maiores raçadores do Brasil se vivesse mais alguns anos.

Por sorte ainda temos o Mirião e alguns amigos que possuem seus filhotes. Segurei o NANANDE (GK x Raabe) e o último ovo do GK com a Borboleta, cujo nome dei LEGADO.

Demorei para escrever pois ainda me sinto muito mal. Aos amigos que possuem seus filhotes, cuidem bem deles e quando não quiserem mais, me avisem.

Março 2010


----------------------------------------------------------------------
MIRIÃO do Quinto Dia - Puxou à Mãe ou ao Pai?

No final de 2006 nasceram os primeiros filhotes do nosso criatório. O primeiro foi abandonado pela mãe, seu nome foi Moisés em homenagem ao personagem bíblico. O segundo, de uma ninhada de apenas um ovo, recebeu o nome de Miriã. (Irmã de Moisés segundo a bíblia).

Os exames de sexagem foram enviados juntos e após o resultado foram batizados. Após uns 6 meses, Miriã estava bem ativa, chamando bastante. Então, por falta de fêmeas tentei acasalar o Abalo Sísmico com esta filhota para ir aos torneios.

Parece que deu certo, pois o Abalo Sísmico estava cantando muito! Mas acontecia algo estranho, Miriã estava abrindo canto e cantava repetindo as vezes.

No torneio da Cobrap em Araçatuba (2007), levei o Abalo e sua fêmea. Estava com muita esperança. Chegando lá, só de bater o olho, o Geraldo Amadeu falou que eu estava acasalando meu bicudo com um macho. Dei risada... Fui ao torneio e o Abalo não decepcionou. Cantou muito. Infelizmente a média de corte para a final foi de quase 4 minutos e ele ficou a 12 segundos de classificar.

Voltei para Itu satisfeito, mas pensativo sobre o que o Geraldo falou... No Torneio do RJ (Cobrap), estava lá eu novamente. Desta vez enquanto esperava a hora de fechar a roda, com o Abalo Sísmico e sua fêmea na capa motel e eu conversava com o amigo Evaldo (Trovoada, que neste dia ficou em segundo cantando mais de 8 minutos). Falei com o Evaldo, olha como a fêmea do meu bicudo canta de cara com ele. Nunca vi isso antes! O Evaldo olhou dentro e viu Miriã... disse a mesma coisa que o Geraldo – isso é macho! Rsss

Pois bem, aos 9 meses, abriu totalmente. Fiz novos exames e a confirmação. Devo ter trocado as amostras iniciais. Os nomes agora ficaram Moisélia e Mirião. Pensei de mim mesmo: “Burro não! Não ofenda o animal!”

Após muda, com pintas pretas e pouco mais de 1 ano, Mirião já era uma realidade. Extremamente repetidor, chegou a cantar 4 minutos em 5 num treino de canto livre que fiz em casa. Porém o bicho ainda ficava mudo na rua. Continuei treinando, levando-o para tudo quanto era lado.

Hoje, com 2 anos, ele está ainda pintado, mas já canta em qualquer lugar, de cara com qualquer bicudo e inclusive já foi em dois torneios de canto livre ficando em 3º lugar em vinhedo com 1:55 e com 1º lugar em Sorocaba com 2:15. Ainda é muito novo e tem muito a evoluir. O desafio agora é fazê-lo repetir também fora de casa.

De qualquer forma, nosso primeiro bicudo macho, filho do Gengis Khan x Borboleta, já está demonstrando muita disposição para cantar, fibra e repetição. Além de um belo porte e postura diante de adversários.

Todas as características acima me deixam na dúvida: Será que puxou ao Pai ou à Mãe?

Resposta: Puxou a ambos!

Mais uma vez vejo Deus abençoando minha vida de forma especial!

Itu, 30/12/2008


--------------------------------------------------------------------------------


BORBOLETA – Dádiva de Deus!

Em janeiro de 2006 concluí a construção do meu humilde criatório. A partir daí comecei a buscar fêmeas de boa linhagem e procedência para popular o novo recinto.

Foi então que após alguns contatos fui visitar o amigo Sérgio Avena. Como ele mesmo diz: uma lenda viva em fibra de bicudo! Rsss O retrospecto dos pássaros dele em torneios de fibra de bicudo era impressionante. Realmente não havia lugar melhor para um iniciante dar os primeiros passos.

Eu estava muito apreensivo, pois não sabia como seria a visita. Queria adquirir algum filhote, mas não tinha muita grana. Estava ansioso e com o talão de cheque cheio. Chegamos lá eu e minha esposa, vimos os pássaros e ouvimos muitas histórias. No final do dia voltamos para casa com um filhote do Dose Dupla, que morreu após alguns meses, e várias fêmeas adultas.

Como? Surpresa do Sérgio – me emprestou algumas fêmeas que nunca haviam criado para iniciar a criação. No meio delas veio a Borboleta. Linda, porém um pouco velha. Já tinha 10 anos e nunca havia criado!

Genética pra deixar qualquer um louco! Filha do Balela com a Bailarina. O Balela dispensa comentários, grande raçador de fibra e repetição do Aloísio Tostes e a Bailarina era uma fêmea do próprio Sérgio que estava criando em Ribeirão com o Aloísio. – “Esta parceria deu muito bicudo bom!!!” já disse o Magela com saudade desta época.

Pois bem, no início era época de muda. E ela ficava meio parada demais, porém foi Gengis Khan começar a cantar, o sol começou a esquentar, choveu e pronto. Borboleta estava pedindo gala! A alegria era imensa!

O primeiro filhote, ela abandonou. Criamos a partir do 5º dia no palito. Moisélia, uma fêmea muito nervosa. Na segunda postura ela já fez o trabalho certinho e a partir daí, só alegria. Desta primeira temporada foram 5 filhotes, 3 estão comigo.

Mirião – bicudinho que com 9 meses abriu o canto do pai na cara do Abalo Sísmico e desde então não parou cantar. Está repetindo bastante, já marquei cantadas de até 58 segundos sem parar.

Moisélia e Rute – Fêmeas que estão no criatório e esperamos cruzá-las em breve. Este casal deu ainda outros bicudos muito bons. Destaque para o Gideão que está com o Rony de São Pedro da Aldeia e o Toró que está aqui no Quinto Dia já encantando quem nos visita.

Nosso desafio agora é acasalar a Borboleta com o Abalo Sísmico, será difícil pois ela não cogita esta hipótese, somente o Gengis Khan ela aceita.

Agradeço a Deus por esta benção, e ao Sérgio Avena que foi o instrumento usado por Deus para nos abençoar com esta maravilhosa fêmea! Ficha técnica:
Pai: BALELA | Mãe: BAILARINA | Criador: Aloísio Tostes – Ribeirão Preto – SP |


--------------------------------------------------------------------------------


GENGIS KHAN – O GUERREIRO

Em outubro de 2003 mudei-me de Niterói – RJ para Itu – SP. Em pouco tempo já havia visitado e conhecido pessoalmente vários amigos “virtuais”. Entre eles, destaco nessa história O saudoso Dr. Paulo Rui de Camargo, o “Grande” Rogério Fujiura, e os “Mestres” Roberto Barros e Geraldo Magela.Em pouco tempo, comecei a buscar um bicudo que tivesse bastante fibra. Prontamente o Dr. Paulo Rui se dispôs a me transferir o GENGIS KHAN.

Pois bem, novato e com muitas dúvidas entre pegar um bicudo adulto ou um filhotes comecei uma épica jornada.A primeira etapa desta jornada foi perguntar aos mais experientes. Consultei então o Fuji qual a opinião dele. Sua resposta? Foi taxativo, depende! Rsss. Mas depois afirmou que o melhor seria um filhote e me levou na casa do Magelão. Fiz a mesma pergunta e o Magelão foi contundente: depende!Pois bem, liguei pro Roberto que me deu uma aula... com sua costumeira paciência me apontou os caminhos e ainda assim fique na dúvida.

Decidi ir conhecer o pássaro oferecido pelo Dr. Paulo Rui. (este amigo está fazendo falta!)Liguei e marquei o dia da visita. O “Paruca” passou via telefone um mapa incrivelmente detalhista! Consegui chegar em sua casa com enorme facilidade. Chegando lá, uma péssima notícia, ao passar o Gengis Khan para outra gaiola o bicho fugiu e para capturá-lo novamente fora utilizado uma rede que acabou machucando muito sua pata. Quase quebrou! Ficou feio de ver e o pássaro estava parado, havia sofrido um stress muito grande.

Já que não deu pra ver o bicho cantando, aproveitei a visita e conversamos bastante. Vi seu livro de anotações, muito rico em detalhes e aprendi muito.A segunda etapa da jornada seria esperar que o pássaro se recuperasse. Foram algumas semanas até que ele começasse a cantar novamente. Marquei o dia e fui até lá. A perna ainda estava muito ruim, mas ele já estava cantando muito. Um bravo guerreiro realmente. Decidi levá-lo pra casa...

A terceira etapa será breve nesta história sobre o Gengis Khan, pois bem. Neste meio tempo fui no Magela e adquiri um belo filhote de bicudo. Estava com dois bicudos e casa. O Gengis Khan e o filhote. Comprei uma gaiola nova para o GK e estava curtindo o bicho, esperando sua pata melhorar.

Aí começa a quarta etapa, os tombos! Umas duas semanas após chegar em casa a gaiola nova, e pesada, caiu no chão, derrubou prego e tudo mais. Minha esposa ligou pra mim desesperada, pois o Gengis Khan estava no fundo com a pata machucada num estado pior e uma das asas arriadas.Estava no trabalho neste dia e nada pude fazer a não pedir a Deus que agisse neste caso. Minha esposa também orou e quando cheguei em casa o GK estava encorujado com a pata pra cima, mas a asa estava no lugar.

Minha esposa estava espantada com a melhora e eu também!Pegamos ele na mão, passamos nebacetim na ferida da pata e oramos mais uma vez. Deus criou todas as coisas e é poderoso para fazer o que não está em nosso alcance. Ele melhorou, a ferida da pata melhorou e ficou tudo bem. Uns meses após, a gaiola caiu mais uma vez. Desta vez o GK estava treinado no “rolamento” e nada sofreu! Foi um sinal. A gaiola ainda precisou levar mais uns dois tombos até eu jogar fora e comprar uma mais leve.

A quarta etapa foi em 2004, levei ele em um torneio em Araçatuba, não tinha fêmea. Botei ele na roda e o bicho cantou. Era um torneio da Cobrap. Muito grande! Conversei com o Aloísio que me aconselhou a tirar da roda e buscar uma fêmea.Demorou um pouco a conseguir uma. Fui conseguir em São Manuel com o Roberto, através de um rolo com o Fuji.

Em outubro de 2004 fomos a um torneio em Vinhedo e o Gengis Khan ainda sem fêmea, pois ela ainda não estava em casa, cantou até o fim.No ano seguinte, fomos a algumas etapas e conseguimos troféus em todas elas. O Gengis Khan estava dando alegrias.

No inicio de 2006 meu criatório estava construído e começaram a chegar algumas fêmeas. Já na primeira temporada Gengis Khan rendeu 7 filhotes!!! Hoje, após todo este percurso, o Gengis Khan está conosco dando muitas alegrias. Já não levamos mais em torneios, usamos somente para reprodução.

Ficha técnica:

Pai: FANTÁSTICO | Mãe: MIMOSA | Criador: Geraldo Amadeu – Araçatuba – SP | Nascimento: 28/11/2000 |

LEIA MAIS SOBRE O GENGIS KHAN

Este depoimento sobre o Gengis Khan é um relato do meu estimado Amigo Paulo Rui de Camargo. Infelizmente o Paulo Rui não está mais entre nós. O “Paruca” como era chamado sempre foi um amigo fiel e um dos responsáveis pelo início do Criatório Quinto Dia, me cedendo este maravilhoso bicudo. Enfim ficarão as recordações.

“Meu primeiro contato com esse bicudo sensacional foi no dia 03 de novembro de 2001.

Viajei para Bonfim Paulista, cidade nas cercanias de Ribeirão Preto – SP. Fui visitar meu caro confrade ALOISIO PACINI TOSTES, Presidente da COBRAP.

Quando acabei de estacionar o carro, meu amigo JOSÉ GERALDO AMADEU, de Araçatuba, estava abrindo o porta-mala de sua viatura. Depois dos cumprimentos de praxe, pedi licença para ver dois esplêndidos exemplares de bicudo, que estavam alojados em duas gaiolas. Eram, de fato, dois bicudos de porte magnífico, ainda imaturos, com penas marrons (nascidos um ano antes – em novembro de 2000). Perguntei ao GERALDO se estava dispondo dos dois pássaros. Depois da resposta afirmativa e após saber o preço das “feras”, fechei o negócio, que não demorou sequer dois minutos de conversação. O pássaro que, prima facie, achei o mais bonito de postura, talhe e penas foi o “Robusto”, como o denominou o meu amigo STENIO FERREIRA, que estava viajando comigo. A este pássaro, posteriormente, quando cheguei de volta a São Paulo, dei o nome de GENGIS KHAN, em homenagem ao famoso guerreiro, que conseguiu unificar o povo mongol (espalhado em dezenas de tribos e clãs) e se tornou o senhor absoluto das estepes da Ásia Menor, o homem que tentou conquistar o mundo, abarcando um império ocupando metade do mundo da época.

O outro bicudo acabou recebendo o nome de HABEAS CORPUS, filho do Latino, um bicudo repetidor de criação do AMARAL, de Dracena, filho do JK (do Pedro Junqueira) e mãe a bicuda Madona, mateira. Este pássaro, que está até hoje em meu aviário, conseguiu aprender o dialeto que impera em meu criadouro, que é o canto flauta tulin-tulin. É um bicudo repetidor e passa vários cantos seqüenciais e renovativos.

O bicudo GENGIS, como consta da descrição no site, foi sempre um guerreiro, um lutador, um batalhador inflexível. Aliás, a palavra GENGIS significa inflexível - e esta é uma de suas características principais, bastando verificar como superou algumas lesões que sofreu, na asa e tarso.

Nasceu em Araçatuba, em 28 de novembro de 2.000. Começou a ficar com as penas pretas em junho de 2002. No final de agosto de 2003, depois de verificar que o RAFAEL almejava um bicudo de ponta, fiz um “pacote” de amigo e o GENGIS KHAN foi abrilhantar o criatório QUINTO DIA, de Itu, onde passou a ser padreador de escol.”

São Paulo, junho de 2006 - Paulo Rui de Camargo - Aviário Guyrá – Granja Viana - “criar para não extinguir”


--------------------------------------------------------------------------------

Roberto Barros – São Manuel

"Esteve em meu criatório, sob meus cuidados, durante alguns meses, enquanto o seu titular construía seu novo criatório, o bicudo Gengis Khan, do amigo Rafael. Bom pra ele, pois serviu também para treinamento. Logo que chegou demonstrou muita valentia, disputando com os meus. Não entendo de fibra, mas aqui no meu criatório, onde os pássaros em geral ficam o tempo todo cara-a-cara e próximos, ele disputou durante toda a sua estada. É um bicudo muito fogoso. Parabéns, Rafael, pelo bicudo que tem! Espero que tire muitas crias dele, porque demonstra muita qualidade"

Roberto Barros - São Manuel/2006


--------------------------------------------------------------------------------

# ABALO SÍSMICO – O SOBREVIVENTE #


Atualizado em: 30/12/2008 - Abalo Sísmico faleceu por problemas hepáticos. Felizmente existem alguns filhotes deste pássaro por aí.

Era julho de 2006, após algumas tentativas de contato que não resultaram em nada, consegui através do colega Nelson (do excelente Sanfonmaia) o telefone do Geraldo Amadeu de Araçatuba.

Liguei para ele marquei uma visita. Trouxe de lá vários excelentes bicudos dentre eles o Treme Terra e Tromba D´água. Após algum tempo liguei para o Geraldo e pedi que ele escolhesse mais um bicudo de muita fibra pra mim e me mandasse pra mim no torneio de Bauru.

Chegando lá, procurei o colega que trouxera o novo bicudo. Era bonito, mas muito espantado para ser um bicudo de fibra. Fiquei na dúvida, mas levei o bicho pra casa. Após alguns meses, foi batizado de ABALO SÍSMICO!

Resolvi levá-lo ao torneio de Lins em Janeiro de 2007, para minha surpresa o Abalo Sísmico foi para a final, cantou até o fim no primeiro torneio. Muita alegria!

Pois bem, chegou de Lins e foi para o Criatório, alguns dias depois notei um barulho estranho quando ele respirava e notei que a abertura nasal estava maior que o normal.

Cheguei a enviar fotos dele por e-mail para vários amigos, de um deles veio a dica que fez a diferença, corre no veterinário que pode ser uma sinusite. Bingo! Chamei a veterinária que logo diagnosticou a doença.

Começamos com antibiótico e melhorou, porém após umas semanas voltou a crise respiratória e mais forte desta vez. Iniciamos o tratamento e não surtiu efeito. Foi então que a veterinária suspeitou de ácaro de traquéia e receitou uma dose de ivermectina direto no bico. ...

O Abalo sentiu o tranco, desenvolveu uma reação ao medicamento, ficou cego! Em poucas horas ele já não enxergava nada. Começamos então a correr contra o tempo.

Foram 12 dias de muito sofrimento, um bicudo adulto sendo alimentado via seringa é complicado. Oramos muito para que Deus o curasse, mas ele só piorava, já tinha perdido muito peso e já estava no fundo da gaiola.

Era uma segunda-feira e eu precisava trabalhar, acordei cedo e preparei a papa para ele, peguei ele no fundo da gaiola e orei pela última vez. Desta vez agradeci a Deus pelo tempo que ele esteve conosco e pelo torneio que pude ir com ele. Afinal Deus é soberano, se ele nos deu, pode tirar, se assim quiser. E Graças a Deus.

Durante a manhã, minha esposa me ligou e disse que o Abalo estava no poleiro e comendo sozinho. Havia recuperado sua visão. A veterinária falou que havia acabado a intoxicação e era normal ele voltar a enxergar. Somente não entendia porque demorou tanto. Eu prefiro crer que Deus fez mais um milagre na vida de minha família.

Hoje o Abalo Sísmico voltou aos torneios, ganhou alguns troféus e está criando aqui no Criatório Quinto Dia. Bicudo de uma fibra fora do comum, galador excepcional, já tem alguns filhotes por aqui. Coincidência ou não, só nasceram machos até agora.

No fim aprendemos mais algumas coisas e o principal, em tudo devemos ser agradecidos a Deus. Muito mais que buscar bênçãos, devemos buscar o Deus abençoador!

Ficha técnica:
Pai: REVELAÇÃO | Mãe: PARAGUAIA | Criador: Geraldo Amadeu – Araçatuba – SP | Nascimento: 30/12/2003


 
 
www.quintodia.com.br - 2017 - Desenvolvimento: